Quem somos?

Ao longo dos últimos anos registamos mais de 50 participantes nas nossas diversas atividades. O nosso grupo no facebook tem cerca de 250 membros. Seria injusto tentar nomeá-los a todos. Aqui fica, então, um pequeno testemunho de alguns daqueles que têm demonstrado uma maior disponibilidade para as nossas aventuras.

o que dizes de a gente ir ver como aquilo é?

Hummm… um belo dia andava a pesquisar coisas sobre a Marinha Grande até que me apareceu uma página do Facebook chamada Borboletas da Marinha Grande. Abri pela curiosidade e fui vendo as fotografias que por lá estavam, vi que os membros do grupo de vez em quando se juntavam numas caminhadas e vi que havia uma caminhada (no Tremelgo) passados poucos dias. Como gosto da natureza, do Pinhal do Rei e de fotografia disse à Dina: “Ó Dina, encontrei aqui um grupo de malta (deve ter sido um grupo de malucos que eu disse na altura, mas isso agora não interessa! :D ) que vai fazer um passeio para fotografar borboletas, o que dizes de a gente ir ver como aquilo é?” A Dina também achou uma ideia engraçada e lá contactei um tal de Carlos Franquinho a dizer que gostava de ir ao dito passeio. Lá fomos nós. Fomos, gostámos (da caminhada, da bicharada, do pessoal, do ambiente) e repetimos :)

tem sido uma aventura

Comigo aconteceu conhecer o grupo por sugestão de alguém, que sabia que eu gostava de tudo o quanto é bicharada, borboletas não são excepção! Fui espreitando a actividade do grupo e até ao 1º encontro “físico” demorou pouco tempo. A partir dai tem sido uma aventura, um misto de sentimentos que não consigo bem definir qual deles é o que mais se destaca, ou, o qual me faz querer estar sempre presente em todos os eventos. A companhia de todos, a forma como o grupo se organiza, a forma de estar e comunicar, sobretudo a partilha.
Por exemplo, sei que comecei a olhar para as nossas matas de um modo diferente, agora parecem-me bem maiores e nunca pensei em tão pouco tempo aprender tanto sobre elas como aprendi e continuo a aprender com todos vós.
Um obrigado a todos, mas especialmente ao Carlos pela iniciativa .

o que mais me moveu foi a curiosidade

Comecei por ver algumas fotografias numa página marinhense de uma rede social. Gostei do que vi, e, como também gosto de fotografia, fui acompanhando as publicações que eram feitas. Quando foi criada a página Borboletas da Marinha Grande a amiga Ascensão adicionou-me e, mais tarde, quando tive oportunidade, numa das primeiras sessões de observação de borboletas nocturnas, juntei-me ao grupo. Lembro-me bem, foi no Rio Tinto. Naquela altura, julgo que o que mais me moveu foi a curiosidade. Depois, com a continuação, a amizade, a boa disposição sempre presente em todos os encontros, o gosto comum pela Natureza, o desejo de aprender sobre algo que desconhecia e a possibilidade de também poder vir a “fazer o gosto ao dedo” fotografando, levam-me a que, sempre que possa, continue participando.

nunca imaginei que a ideia saltasse do espaço virtual para o espaço real

Quando criei o grupo no facebook, nunca imaginei que a ideia saltasse do espaço virtual para o espaço real. Porém, assim aconteceu: num abrir e piscar de olhos fizemos novos amigos e, juntos, temos vindo a descobrir a Natureza que nos rodeia. Entretanto, vou continuando a ser o responsável pela marcação das datas e pelo transporte do gerador. Quanto ao grupo, já caminha sem mim. :)

Carlos Franquinho

o programa era mais aliciante do que ficar no sofá a ver televisão

Boas questões! E fizeram-me realmente pensar… Se alguém me dissesse, uns meses antes de tudo começar, que eu iria passar várias noites à espera de borboletas, atraídas por uma luz, para lhes colocar um copo por cima, receberia um olhar de estranheza e incredulidade igual a alguns que recebo quando relato estas ”aventuras”. Até perceberem que falo a sério e quererem saber mais sobre o assunto .
Tudo começou com as fotos de borboletas da Ascensão, que eu achava muito bonitas, mas o que me intrigava era o pedido a um ”tal” Carlos Franquinho para que as identificasse. Ficava realmente surpreendida com os conhecimentos revelados por ele e percebi que era um entendido na matéria. Quando o grupo surgiu e foi marcada a primeira sessão, fui movida pela curiosidade, pelo facto já estar a olhar as borboletas e a ”vê-las” realmente. Achava também que ia conhecer pessoas muito interessantes. Além disso, o programa era mais aliciante do que ficar no sofá a ver televisão, numa noite de verão, e decorria num espaço de que já gostava muito, a nossa mata.
E não há dúvida, a primeira vez foi realmente inesquecível, não só pela quantidade de borboletas que apareceram, mas principalmente pelo belo espectáculo com que fomos brindados, as centenas de pirilampos que nos receberam… Foi mágico…
Era o suficiente para me fazer voltar. Mas mais que isso, os amigos que participavam, as pessoas que conheci, as relações de amizade que se estreitaram ou foram surgindo… As caminhadas, os passeios, as sessões nocturnas, valem pelo convívio, pelas aprendizagens e pela partilha…
Continuo sem saber o nome da maior parte das borboletas, (deixo isso para os meus amigos a quem muito admiro ®) mas aprendi muito sobre elas e passei a vê-las com outra sensibilidade.
Posso resumir esta actividade deste modo: ”Primeiro estranha-se, depois entranha-se” .

quando participei pela primeira vez foi tudo novidade

Era uma vez, um grupo que me despertou a atenção pelas descrições que faziam das borboletas; identificavam as ditas e a sua família. Achei engraçado e interessante. Eu que nasci e cresci com estas borboletas e só sabia que umas eram das couves e outras dos pinhais, sabia também que faziam parte do equilíbrio deste planeta já um pouco desequilibrado mas não sabia mais nada e gostava de as ver. Quando participei pela primeira vez foi tudo novidade.
Amigos que fiz, amigos e até familiares que não sabia terem esse passa tempo preferido, fiquei amante do grupo , que fiz e faço a sua divulgação por onde passo. Bem haja aos mais “fanáticos” e estudiosos das borboletas, (Carlos Franquinho e esposa) , tenho aprendido muito. Agradeço a todos pela forma humorada e consensual que colocam sempre nos encontros. Um abraço a todos os amigos desta página e das borboletas.